sexta-feira, 28 de dezembro de 2007

Lengalenga do tempo

o tempo perguntou ao tempo
quanto tempo o tempo tem;
o tempo respondeu ao tempo
que o tempo tem tanto tempo
quanto tempo o tempo tem

segue-se 2008...

Crimes no Porto

Num estado de direito já falou quem deveria falar nesta fase: a polícia, o juiz de instrução e o MP.

Pelo que agora se vê, já faltam respostas para:
- Como foi possível o desenvolvimento de gangs (plural!) na cidade do Porto ? O SIS não detectou/monitorizou/ recomendou ? Se sim, em que ponto (ou quem) falhou a acção para a prevenção ?
- A PGR não está a funcionar como um corpo único e coerente. A PJ tb não. Como e quem garante o foco e alinhamento organizacional ?
- A Arquitectura de Informação do sistema (multi-organizacional!) não existe ou é insuficiente, ou seja, a acção aparenta não estar sustentada/ informada. Quem já percebeu este problema e como (quem?) pode actuar para resolver ?
- Terá havido precipitação na acção nacional e local ?

Guardemos novo silêncio, esperando pela próxima acção da polícia (continuando a investigar) e da magistratura (desenvolvendo o processo já conhecido).

Millennium BCP

Infelizmente, é uma metáfora de Portugal!

- Os aflitos voltam-se para o pai estado
- O Governo não consegue evitar intervir
- Quem regula/ fiscaliza andava (andou?) distraido e age tarde e por reacção (em vez de prevenção!)
- O pouco que temos de bom, tem fundações muito frágeis e é fácil de destruir/ denegrir
- Temos os olhos no chão e no curto-prazo (quem vier a seguir que resolva!)
- O apego ao poder é grande e não se sabe escolher a hora de sair de palco
- É sempre alguém de fora que vem salvar
- Somos poucos

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

Era inevitável...

... a associação com o Gato Fedorento - Debate Cavaco/ Sócrates (http://www.youtube.com/watch?v=KD3FtyFPG3o).
Refiro-me a apresentação de cumprimentos de Natal do Governo ao Presidente da República.

Nota:
Quero sublinhar que concordo com o conceito e com a implementação que tem vindo a ser seguida da "cooperação estratégica" entres os dois órgãos de sobernia. A nota de humor é que era inevitável...

KPI - Percentagem dos casais em que foi o homem (pai) que trocou a vida profissional pela vida familiar

Um dia destes ouvia o programa "o amor é..." com o Prof. Júlio Machado Vaz e a Ana Mesquita na Antena 1 (http://tv1.rtp.pt/wportal/multimedia/index.php?prog=1032) em que o tema era um estudo realizado no Reino Unido em que se verificava que cerca de 100 mil homens (se não me falha a memória) tinham trocado a vida profissional pela vida familiar, ficando a cuidar das crianças... é sem dúvida um indicador do desenvolvimento de uma sociedade - quanto maior for (100% corresponde a todos os casais com filhos pequenos), maior será o desenvolvimento social: (i) reflete que as crianças estão no centro da vida familiar e das sociedades (ii) reflecte que os homens têm mais confiança em si e já não precisam do 'macho' para nada; (iii) reflecte a igualdade de género; e (iv) a tolerância das sociedades.

-----------
Outros KPI focados:
KPI - Percentagem das pessoas que teve de lidar com um empreiteiro do sector da construção civil e que tem razões de queixa (http://coisas-do-marco.blogspot.com/2007/11/kpi-percentagem-das-pessoas-que-teve-de.html)

Cantiga de Embalar

Faz ó-ó meu pequenino
- Anda lá fora um rumor...
Voz do mar ou voz do vento ?
Faz ó-ó...
- Seja quem for!

Vejo as estrelas brilhando
Através desta vidraça.
Sinto-me triste, mais só...
E a minha voz vai cantando
-Ó-ó... ó-ó

António Botto (1897-1959)
in 'poetas de hoje e de ontem', selecção de Varanda, M.L. e Santos, M.M. e ilustrações de Canhestro, F.

terça-feira, 18 de dezembro de 2007

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Presidência Portuguesa (balanço final)

"Porreiro pá!"

Crimes no Porto

{silêncio}

Fui descobrir "O Orelhas"...

Diz que é uma espécie de Restaurante... em Queijas... coisa do melhor.
Comecei pelo cabrito assado no forno. A sericaia é coisa fina. As entradas do melhor e os vinhos... hmm... os vinhos... comecei pelo Douro Vértice Tinto...

É uma história que ainda vai ter muitos capítulos ;-)

Para saber mais um pouco:
http://viajarcomigo.blogspot.com/2006/04/o-orelhas_26.html

sábado, 8 de dezembro de 2007

Plano "Todos para a Escola"

Na sequência do "Estado da Nacão: 'educação'" (http://coisas-do-marco.blogspot.com/2007/12/estado-da-nao-educao.html) venho propor uma terapêutica: Plano "Todos para a Escola" - note-se que não estamos a falar de uma reforma!

"Um plano que se faça nas escolas e junto as famílias e não nos gabinetes do Ministério ou das Adminsitrações Regionais. Um plano que procure as causas e as ataque imediatamente. Um plano que mobilize toda a sociedade. Um plano que não mexa em leis!"

Lema:
O mais nobre investimento! Todo o investimento necessário no presente nunca será demais para o retorno futuro do país e dos seus cidadãos.

Objectivo:
- garantir que 100% dos que nasceram a partir de 1987 têm pelo menos a escloridade mínima obrigatória (12º ano!)
- garantir a maior taxa possível para os que nasceram antes de 1987 (2ª prioridade)

Âmbito:
- para todos, independentemente das suas necessidades (e.g. ensino especial) e origens (e.g. emigrante)

Método:
- para cada ano determinar o universo de análise (nascimentos + emigrantes - falecimentos - ...)
- para cada elemento do universo determinar a sua situação (estão no sistema ou fora, bem de estudos ou não, ensino especial, ...)
- para cada um que não esteja na situação normal desenvolver as acções necessárias para passar a estar
- monitorizar/ controlar/ corrigir

Recursos:
- Equipa multiciplinar (task force) na dependência do Primeiro-Ministro
- Humanos: professores e/ou licenciados desempregados c/ programas de formação adequada
- Financeiros: orçamento de estado + venda de património + doações/ mecenato + novas prioridades

Prioridades:
- dos mais novos para os mais velhos
- para os que não estão no sistema
- para os que necessitam de condições diferentes
- para os que estão no sistema mas não estam a ter sucesso

Estado da Nação: 'educação'

Pelo estado da 'educação' (no sentido de escolaridade) se vê o estado da nação - é uma das minha convicções.

Na semana que passou foi conhecido mais um estudo e mais um resultado menos bom para Portugal (ver no Público "OCDE: Um quarto dos alunos só domina as competências mais simples a ciências" http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1312803) - que por si não quer dizer nada, mas somado aos muitos outros estudos anteriores e em particular aos que referem ao abandono escolar nos da geração que se segue à minha, é MUITO preocupante, digo mesmo MUITO GRAVE e como tal MUITO URGENTE a solução.

Para ilustrar como vejo o problema, uso a seguinte metáfora:
Um doente entra num hospital com uma pericardite (pt.wikipedia.org/wiki/Pericardite) de origem viral com compromisso do miocárdio (pt.wikipedia.org/wiki/Miocárdio). O especialista de medicina interna opta por uma terapêutica à base de ácido acetilsalicílico (e.g. aspirina), mesmo sabendo que a medicação facultada e a sua dose poderá provocar uma lesão no estômago: a preocupação número 1 é a vida.

A vida de Portugal (o Portugal com que sonho - falaremos disto noutro momento) depende de conseguirmos atingir, o mais rápido possível, a meta de todos os Portugueses terem pelo menos a escolaridade obrigatória: garantir 100% em todos os que nasceram em 2007 (e daí para a frente) bem como, 2006, 2005, ... pelo menos até 1987 - e eu tentaria ir o mais longe possível com os que nasceram em 1986, 1985, ... mas não tolerava menos que 100% para os restantes - vejo isto como a pericardite! Urge uma terapêutica adequada!

A conversa do estômago vem por cauda das desculpas: o défice, a falta de recursos financeiros e humanos, blá, blá, ... não são desculpas! Para curar a pericardite vamos ter que comprometer o estômago - e.g. parar a construção de alguma estrada, viaduto, túnel ou outra obra qualquer, venda-se património; não se aumente salários; haja criatividade! há mil e uma ideias para arranjar dinheiro - para além desta causa só vejo outra, a de salvar a vida de um outro ser humano.

O que está a faltar são especialistas de medicina interna com visão e real noção do problema e das suas consequências (ou será que o facto de não serem estes especialistas de medicina interna leia-se políticos- a estarem no activo daqui a uma geração é a razão para não se fazer nada ? - é um clássico das gerações mais velhas que a minha dizerem "não serei eu a apanhar com as consequências... quem lá estiver que se amanhe" )*

A terapêutica é um plano "Todos para a Escola". Um plano que se faça nas escolas e junto as famílias e não nos gabinetes do Ministério ou das Adminsitrações Regionais. Um plano que procure as causas e as ataque imediatamente. Um plano que mobilize toda a sociedade. Um plano que não mexa em leis!

(*) Comportamento típico de nível I (single loop learning) - ver http://www.infed.org/thinkers/argyris.htm.

Joana Amaral Dias

Mulher. Psicóloga. Esquerda. Política.
Lúcida. Inteligente. Determinada.

Foi membro do Bloco de Esquerda, deputada e mandatária do Presidente Mário Soares para as últimas eleições à Presidência da República.

A sua convicta acção e empenho nas causas são exemplos para a nossa geração; é um referencial de determinação.

Tem muita presença nos meios de comunicação social e blogs:
- Expresso/ Uníca: http://clix.semanal.expresso.pt/unica/default.asp?edition=1745
- TSF-Linha da Frente: http://www.tsf.pt/online/radio/interior.asp?id_artigo=TSF178243
- Bichos Carpiteiros: http://bichos-carpinteiros.blogspot.com/
- 5Dias: http://5dias.net/

quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

Será este o papel da China ?

Aprendi com um amigo que a contenção de recursos é uma arma poderosa para tornar melhores os contendores.

Lembrei-me desta lição a propósito da Cimeira UE-África (a segunda).

É significativo que se esteja a fazer a 2ª cimeira na presidência portuguesa, tendo a 1ª sido realizada também por uma presidência portuguesa - mostra a importância que a UE dá às relações com África. Quanto a Portugal faz o seu papel!

Parece que a China está a fazer mudar a perspectiva.

A China tem uma estratégia bem definida e recursos para a implementar, para além de ter a credibilidade intacta no que a relações com África diz respeito.

A UE não tem uma estratégia (tem muitas visões), tem escassez de recursos e o capital de confiança tem se esfumado ao longo das últimas décadas de avanços e recuos (já para não falar das tensões históricas).

A 'velha senhora' tem finalmente contenção no que a África diz respeito.

Confesso a vergonha :-(

Depois de ler no "diário" do Nuno, confesso a vergonha...
O original está em:
http://nunogodinho.blogspot.com/2007/11/tenho-uma-srie-de-amigos-gestores.html

Reproduzo:
Conselho Informático Número Dois
Tenho uma série de amigos gestores, advogados, marketeers, programadores, etc. que trabalham em empresas muito dinâmicas e competitivas, que dizem ser muito ocupados e que têm sempre imenso trabalho. Dedicaram vários anos da sua vida a um curso superior para se especializarem numa determinada área e alguns deles já fizeram o esforço adicional de tirar pós-graduações para terem mais qualificações e conseguirem fazer mais coisas melhor e mais depressa. Mas a maior parte deles usa 2 dedos para teclar no computador. Acumularam durante anos imensas capacidades que é suposto torná-los ultra-eficientes, e depois usam 2 dedos para as teclar. A única razão que faz com que isto seja admissível e não passem uma grande vergonha é simples: os seus chefes e os chefes deles também teclam com 2 dedos. É certo que já há muito tempo que a dactilografia se devia ter tornado cadeira obrigatória desde a primária. Afinal, na 1ª classe ensinam-nos a escrever com uma caneta e hoje já quase a trocámos pelo teclado. Mas o atraso do ensino oficial não é desculpa para que milhares de eficientes trabalhadores passem o dia a olhar para o teclado para ver se acertam nas teclas certas com ambos os seus dedos escritores.
Embora uma grande percentagem das pessoas use um computador para fazer a maior parte do seu trabalho, a dactilografia por toque (touch typing em inglês) parece continuar a ser uma arte esotérica apenas acessível a essa sociedade secreta que são as secretárias. Dactilografar por toque significa dactilografar sem ter de olhar para o teclado e tem duas vantagens, ambas relacionadas com a velocidade a que se consegue escrever. Não só permite utilizar 10 dedos em vez de 2 como, uma vez que não é preciso olhar para o teclado, pode olhar-se o tempo todo para o ecrã detectando assim quaisquer erros que se façam. Aprender dactilografia por toque é mais simples e mais rápido do que parece e além disso é divertido.
Os Excelentíssimos Senhores Doutores Engenheiros e quejandos que depois de lerem isto se sentirem envergonhados encontram aqui um curso grátis online (que está em português e tudo) e encontram aqui um jogo online em inglês. Mas há um monte deles, basta procurar. E vão descobrir que, se seguirem as lições e praticarem uns minutinhos por dia, em poucas semanas o vosso dia de trabalho vai esticar uma ou duas horas.

Pensamento III

"As organizações são realidades biológicas complexas, sócio-técnicas, que têm como factor distintivo dos restantes artefactos humanos o facto de elas próprias envolverem na sua constituição agentes humanos."

"O conhecimento manifesta-se na acção! É quando uma agente organizacional, seja ele actor humano ou uma máquina, faz determinadamente algo, num dado contexto, que vemos emergir o conhecimento por ele detido."

"O Conhecimento Organizacional implica pois a existência de uma representação organizacional, sempre actualizada, que resulte não apenas das representações conscientes que cada um tem da organização - que designo por Consciência Organizacional - mas também da consistência das diversas vistas sobre a mesma organização, por parte das diversas comunidades especializadas que nela se inserem."

"A disciplina essencial para ordenar elementos num todo, de forma harmónica, os seus usos e leituras é a Arquitectura, a qual porém não explicita a forma concreta como se deve proceder à construção, operacionalização e manutenção desse sistemas. Esse é em dúvida o domínio da Engenharia Organizacional."

"É ao lidar com a Mudança Organizacional que a plena potencialidade das disciplinas de Arquitectura Empresarial e de Engenharia Organizacional vão ganhar relevância no terreno."



"[...] a minha intuição, que, associada aos meus conhecimentos e experiência actuais, suportam a minha convicção de que o conceito de Consciência Organizacional é algo essencial nas
Organizações, e que o suporte à sua explicitação é indespensável à Engenharia Organizacional."



Tribolet, J. "Organizações, Pessoas, Processos e Conhecimento: da Reificação do Ser Humano como Componente do Conhecimento à 'Consciência de Si' Organizacional", cap. 16 de "Sistemas de Informação Organizacionais", Amaral et al, Edições Sílabo, 2005 (link: http://www.silabo.pt/livros.asp?tit=sistemas+de+informa%E7%E3o+organi...)

Pensamento II

"[...] since most private and public organizations are unable to learn by the double loop method, the costs can be built into the price [for private organizations] or tax [for public organizations] increases, and this way out may be the road toward economic and political instability."

in Argyris*, C., "Double loop learning in Organizations", Harvard Business Review, 1977
(*) http://www.infed.org/thinkers/argyris.htm

Pensamento I

"[...] os artigos precursores de Le Moigne (1978)* [...] não apenas introduziam o conceito de 'sistema de informação organizacional' como distinto dos 'sistemas informáticos' e consubstancial à organização, mesmo que ela não tivesse qualquer suporte informático, como explicam que, para se entender o papel da informática nas organizações, era indispensável partir desse conceito organizacional e que, pelo contrário, partir da tecnologia ou da 'informática' eram erros graves - que aliás se continuam a cometer alegremente.
[...]
Assiste-se nos últimos anos a uma redescoberta das questões de Arquitectura Empresarial e de SI's e tem-se continuado a falar de 'processos' (embora de forma cada vez mais confusa)a propósito de reengenharia, de qualidade, de audiotoria, etc.
No entanto, e com raras excepções, parece que anda toda a gente a reinventar a roda. Existe, na minha opinião, um esquecimento, quer em Portugal, quer no estrangeiro, do que já foi feito e escrito nestes domínios. Ora tal esquecimento choca-me principalmente por ser um ' esquecimento satisfeito', acompanhado de referências detalhadas ao que de mais recente se publica - e ignorando que, em muitos casos, se está a dizer de novo o que já foi escrito no passado e, noutros casos, a dizer pior coisas que já foram melhor reflectidas."

"

(*) Le Moigne, J.L. (1978), La théorie du système d' information organisationnel', Revue Informatique et Gestion (quatro textos publicados entre Dezembro de 1978 e Março 1979).

in Silva, A.F., "Intervenções no domínio dos SIO em Portugal - Algumas reflexões sobre o passado, o presente e o futuro", cap.14 de "Sistemas de Informação Organizacionais", Amaral et al, Edições Sílabo, 2005 (link: http://www.silabo.pt/livros.asp?tit=sistemas+de+informa%E7%E3o+organi...)

Nota: nos dias que correm, quando é referido os termos 'sistemas de informação', normalmente referem-se a 'sistemas informáticos', ou seja, temos dois conceitos diferentes 'sistemas informáticos' e 'sistemas de informação organizacional' que hoje se confudem (erradamente) em 'sistemas de informação'.

sábado, 1 de dezembro de 2007

Tudo começou há 200 anos...

A 29.Nov.1807 a corte portuguesa parte para o Brasil.
Tenho para mim que este foi o momento simbólico em que começou a nossa crise de identidade e a nossa insegurança enquanto povo. Os 200 anos seguintes foram de loucos; só para citar alguns momentos históricos:
- Guerra civil (http://pt.wikipedia.org/wiki/Guerra_Civil_Portuguesa_%281828-1834%29)
- Regeneração (http://pt.wikipedia.org/wiki/Regenera%C3%A7%C3%A3o)
- Regicídio (http://pt.wikipedia.org/wiki/Regic%C3%ADdio_de_1908)
- Proclamação da República (http://pt.wikipedia.org/wiki/Revolu%C3%A7%C3%A3o_de_5_de_Outubro_de_1910)
- 1ª República (http://pt.wikipedia.org/wiki/Primeira_Rep%C3%BAblica_Portuguesa)
- Estado Novo (http://pt.wikipedia.org/wiki/Estado_Novo_%28Portugal%29)
- Revolução de Abril (http://pt.wikipedia.org/wiki/Revolu%C3%A7%C3%A3o_dos_Cravos)

Passámos de país em 4 continentes para país em 1 continente.
Passámos de Monarquia a República.
Passámos de país rural a país urbano.
Experimentamos vários regimes políticos e vários perfis de políticos.
Fizemos várias guerras (algumas, civis).
Fizemos 2 grandes industrializações.
Emigrámos.
Entrámos no projecto Europeu.
Tudo mudou.

Em caricatura:
Durante 50 anos destruímos a elite e a massa crítica do país...
Nos 50 anos seguintes tentámos recuperar...
Nos 50 anos seguintes voltamos a distruir...
Nestes últimos 50 anos criámos, distruímos, e estamos a tentar criar outra vez...

É obra!

Para aprofundar este tema, sugiro:
- Dossier da visão de 22.Nov
- Livro "As Guerras Liberais. Uma Reflexão Estratégica sobre a História de Portugal", José Manuel Freire Nogueira, IDN/Cosmos, 2004 (http://www.fnac.pt/pt/Catalog/Detail.aspx?cIndex=0&catalog=livros&categoryN=Livros&category=historiaPortugal&product=9789727622511)
- Historiador Vasco Pulido Valente (http://pt.wikipedia.org/wiki/Vasco_Pulido_Valente)

A recursividade da política e a CM-Lisboa

Imaginem que quando esfregávamos a lâmpada e pedíamos ao génio os nossos desejos, ele por sua vez tirava uma lâmpada, esfregava e pedia ao novo génio os desejos, que por sua vez tirava uma nova lâmpada, ... já estão a ver a recursividade!

Lembro-me desta história*, sempre que os políticos, para disfarçar os seus erros, omissões, mentiras, incompetência, frustação, impotência ou qualquer que seja a razão, decidem culpar os do passado! É uma estratégia do 'single-loop learning' que visa manter a variável de governo 'maximizar os ganhos, minimizar as perdas'**.

Os rosas dizem que a culpa é dos laranjas, que por sua vez dizem que é dos rosas anteriores, e por ai fora... Já se pode ver que esta recursividade não leva a lado nenhum! Afinal politicamente uns foram subsitutídos pelos outros por causa do passado, mas com projectos de futuro!

Na semana que passou tivemos uma instância desta estratégia: CM-Lisboa e Sr. Presidente António Costa (há coisa de um mês já tinhamos tido outra no Parlamento com o Sr. Presidente do Grupo Parlamentar do PSD, Pedro Santana Lopes e Sr. Primeiro Ministro, José Socrates; e por ai fora).

No incidente da CM-Lisboa há mais duas coisas que me incomodam.

A primeira é o facto da gestão de primeira linha de uma organização pública se decidir vir governar para a praça pública: (i) os políticos acham que compensa! (ii) e os jornalistas deixam-se usar porque acham que compensa! - não há dúvida que no curto prazo há ganhos: uns porque afinal não foram esquecidos (porque se estranha que não se confie nos políticos ?)... os outros porque ganharam uma nova 'crise' com que se entreter (porque se estranha que não haja bom jornalismo?). Resta saber, no longo prazo, o que ganhou a instituição e os munícipes a quem serve ?

A segunda é a dívida (ou melhor dizendo as milhares de dívidas!). Então as ditas cujas não estão em contratos cujas facturam venceram a 30, 60 ou 90, ... dias !? e porque a instituição pública não honrou esses compromissos ? quando contratou já sabia que não ia honrar ? e o que acontece à instituição e às pessoas que não honraram os compromissos ?

É de resultados que estamos a falar: de eficiência e de eficácia!

--------

Como nota de rodapé gostava de dizer que o político António Costa é, na minha opinião, um dos melhores políticos Portugueses no activo.

(*) in Godel, Escher, Bach: An Eternal Golden Braid by Douglas R. Hofstadter
(**) ver http://www.infed.org/thinkers/argyris.htm

Ricardo Araújo Pereira

Descontraído, despretensioso, culto, irreverente, ... é um dos Gatos, com um inteligente sentido de humor, verbo fácil, bom trato, ... com atitude!

Com o Ricardo é mais fácil fazer frente ao enorme desafio que temos (geração) à nossa frente!

Links:
- Todas as semanas na Boca do Inferno, Visão (www.visao.pt)
- Entrevista à TimeOut (http://timeout.sapo.pt/news.asp?id_news=470)
- WIKIpedia Ricardo A. Pereira: http://pt.wikipedia.org/wiki/Ricardo_Ara%C3%BAjo_Pereira
- Blog dos Gatos: http://gatofedorento.blogspot.com/

Ser pai...

A propósito de ser pai, várias pessoas conhecidas me têm perguntado onde fui 'sacar' informação... faço um resumo, para quem tenha ou venha a ter necessidade...

Para Filho 1:

* Antes de nascer
- Fazer a dois as consultas de obstetrícia, ecografias, ... e 'melgar' todos os médicos com perguntas
- DVD: "Vida no Ventre" (no original "in the womb"): http://channel.nationalgeographic.com/channel/inthewomboriginal/
- Fazer um curso (a dois, claro!) sobre o parto e os primeiros dias de vida do bebé (nós fizemos http://www.geracoes.net/curso_3.htm)
- Tertúlias com os amigos com filhos

(o mais interessante foi fazer tudo a dois, mesmo que fosse partilhar a ignorância)

* Depois de nascer
- Fazer a 3 as consultas de pediatria, vacinas, ... e 'melgar' todos os médicos com perguntas
- Livro (a ideia é compreender o filho e não ensinar a ser bom pai ou mãe - esses são irritantes: 'Children and Their Development' http://www.amazon.com/Children-Their-Development-Robert-Kail/dp/013194911X/ref=sr_11_1/002-8622310-4120041?ie=UTF8&qid=1182182556&sr=11-1 - há uma versão em Português (Brasil).
- Marcas facultam boa informação (e.g. www.dodot.pt)
- Amigos com filhos
- Número de telemóvel do pediatra :-D :-D

(o mais interessante tem sido aprender a conhecer o nosso filho e a entender o que de novo está a surgir: relação mãe-filho, pai-filho, pai-mãe, avó-neto, ... é pura magia!)

Para Filho >1:
- fazer "Filho 1" a 3, 4, ... ;-)

Bons filhos.

quarta-feira, 28 de novembro de 2007

A propósito do pacto PSD-PS para a nova lei de governo das autarquias...

Parece uma oportunidade perdida!
Mudar para que tudo fique igual: (i) se ganha o PS não há problema pois o PSD sempre coloca alguns no executivo; (ii) se ganha o PSD não há problema pois o PS sempre coloca alguns no executivo.

Isto são comportamentos do modelo-I/ single-loop learning [Argyris] - muito habituais no meu país - falaremos disto noutra altura (para os mais curiosos http://www.infed.org/thinkers/argyris.htm).

É preciso um novo regime!
Ver http://coisas-do-marco.blogspot.com/2007/11/regime-20.html

sábado, 24 de novembro de 2007

Mariza

Mariza canta uma geração... dá-lhe um contexto, um sentido: uma alma!
Mostra o caminho para conciliar tradição e modernidade: o Portugal do futuro com a sua história.
O eco da sua voz faz-se ouvir pelo Mundo; e o Mundo rende-se... é a prova que o encanto, o talento e o profissionalismo ultrapassam obstáculos e fronteiras.
A Mariza dá-nos a saudade do futuro e a receita para o sentirmos: a fado, afinal, é optimista!

"Ó gente da minha terra" (http://www.youtube.com/watch?v=TeOhPR_0x8E)
Letra: Amália Rodrigues, Música: Tiago Machado, Interpretação: Mariza

Site oficial da Mariza: www.mariza.com/
WIKIpedia Mariza: pt.wikipedia.org/wiki/Mariza
Blog dos amigos de Mariza: www.marizafriends.blogspot.com/

sexta-feira, 23 de novembro de 2007

Não percebo a surpresa!?

Não tem desculpa, foi mal educado, mas... ... coisa rara por cá: foi eficiente e eficaz!

Quanto ao ter sido mal educado, era um facto sobejamente conhecido antes da contratação e já visto várias vezes ao longo destes anos.

Quanto aos resultados, fico contente, como adepto mas não me posso espantar por terem sido cumpridos os objectivos; para os mais distraídos, cumprir objectivos é que deveria ser a situação NORMAL!

Não via com maus olhos que houvesse mais uns mal educados em Portugal!
Não percebo a surpresa em relação ao nosso seleccionador principal ?

quinta-feira, 22 de novembro de 2007

KPI - Percentagem das pessoas que teve de lidar com um empreiteiro do sector da construção civil e que tem razões de queixa

Na passada 2a feira (19.Nov), no programa 'antena aberta' (antena 1 - ), o Coordenador da Missão para os Cuidados de Saúde Primários (MCSP) indicava 3 razões e acrescentado "as que sempre correm mal em Portugal", para explicar o porque de estarem a funcionar aprox. 75 USF e terem entrado aprox. 200 candidaturas:
- Obras
- Informática
- Pessoas (mobilidade)

Fiquei a reflectir sobre estas palavras...

O primeiro impulso foi perguntar se já se sabe que estas correm sempre mal em Portugal, o que foi feito para evitar que, desta vez não corresse mal ?

Um segundo foi sorrir... afinal a "informática" esta a ganhar importância e já aperece na lista dos problemas a par das "obras"! Quererá isto dizer que vamos passar a ter os gestores portugueses a fazer os projectos de tecnologias de informação como deve ser: Arquitectura/ Projecto, Engenharia/ Projecto, Gestão de Projecto, Engenharia/ Implementação, Engenharia/ Manutenção ?

Por último, ter entendido que há sectores (e.g. "obras") que são um espelho das dificuldade do país e sobre os quais podem ser definidos KPI de desenvolvimento: (i) reflectem a falta de educação, formação, instrução e treino dos trabalhadores; (ii) a falta de processos, metodologias e tecnologias das empresas; (iii) a dificiente e ultrapassada cultura de gestão, com pessoas sem preparação para serem empresários e gestores e que ainda não compreenderam que são os clientes satisfeitos que colocam o pão na mesa!

Neste contexto, um KPI poderia ser "Percentagem das pessoas que teve de lidar com um empreiteiro do sector da construção civil e que tem razões de queixa". Se a percentagem for muito alta (próxima de 100%) então temos uma país com fraco índice de desenvolvimento; se for muito baixa (próxima de 0%), o país apresenta um elevado índice de desenvolvimento.

Sendo fraco para amostragem, pela minha parte não conheço ninguém que não tenha razões de queixa e uma boa percentagem até colocou processos em tribunal. E você, conhece ?

KPI - http://en.wikipedia.org/wiki/Key_performance_indicators
Antena 1 - http://antena1.rtp.pt/
MCSP - http://www.mcsp.min-saude.pt/mcsp

Luís Figo

Dispensa apresentações. O Luís é já um dos símbolos maiores desta geração e do país: pelo profissionalismo com que 'jogou futebol', pelo seu empenho e dedicação ao ser Português e sabedoria com que tem gerido a sua carreira.

O Luís, com o seu trabalho, com o seu esforço, levou o nome de Portugal aos confins do Universo.

Infelizmente, para voltar a ver a magia do Luís temos que recorrer à nossa memória (e ao registo multimédia da humanidade); da genialidade do Luís estou certo que ainda vimos pouco!

Nota do tempo presente:
Força Figo. Boa recuperação.

Alguns links:
Fundação Luís Figo: http://www.fundacaoluisfigo.pt/
WIKIpedia Luís Figo: http://pt.wikipedia.org/wiki/Luis_Figo

Ínclita Geração

Será uma nova 'etiqueta' onde farei memória dos 'infantes' da minha geração (*1) que têm (ou terão) uma responsabilidade: transformar Portugal, tornando-o mais eficiente e eficaz (o desafio desta geração!).



--------
(*1) 'minha geração' - designação introduzida em:
http://coisas-do-marco.blogspot.com/search/label/%22Tenho%20para%20comigo...%22

Ínclita Geração. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2007. [Consult. 2007-11-22]. Disponível na www: .

"Os 12 lugares mais bonitos de Portugal"

É este o título de capa da revista Sábado desta semana (22 a 28 de Nov.2007); são:
- Levada do Rabaçal e das 25 Fontes, Madeira
- Grutas de São Vicente, Madeira
- Poço da Alagoinha, Flores.Açores
- Esteiro de Canelas, Estarreja
- Planalto Central, Pico.Açores
- Mata da Albergaria, PN da Peneda-Gerês
- Fraga da Pena, Serra do Açor
- Algar do Carvão, Terceira.Açores
- Pulo do Lobo, Mértola
- Canhão Fluvial do Douro, Aldeia Nova
- Paul do Boquilobo, Golegã
- Bosque de Carrazedo, Trás-os-Montes

É um excelente motivo para (iniciar a) viajar pelo país... e já agora conhecê-lo!
(é uma boa maneira de ir mudando hábitos, em particular o muito português de dizer mal do que não se conhece!)

quarta-feira, 21 de novembro de 2007

Cartões do Técnico

Quando me inscrevi para o Doutoramento no IST verifiquei, quase 1 década depois da última interacção:
- a 'coisa' burocrática aparenta igual (só que mais irritante, afinal já temos menos tolerância);
- os cartões ainda são de papel e continuam a ter o carimbo!

É difícil acreditar que estamos numa das melhores escolas de engenharia do país, se não a melhor.

Na minha visão, esta escola deveria ir à frente!
Ser consistente com a sua história!

Conciliação de Gerações

Que os Gatos Fedorentos estão a funcionar como uma válvula de escape na tensão entre gerações, contribuindo para uma conciliação de gerações.

Os da minha geração (e seguinte)*1 andam frustados e disiludidos com os da geração dos pais e avós. Não percebem a falta de eficiência e eficácia*2 em todo o lado e em todas as coisas... casar, comprar casa, processar o construtor, ser bem atendido no supermercado e no médico, pagar impostos, comprar carro, pedir um certificado de habilitações, inscrever na ordem, no curso, ter um professor, ter uma creche, ...
"O país não funciona", é uma frase muito ouvida e sentida por esta geração, que começa a ter pouca tolerâcia para o mau serviço, a falta de educação, os atrasos, a incompetência...
Ora, e quem é que lá colocou isto? os pais e os avós!

Os Gatos vieram colocar a malta a rir disto, incluindo os filhos, os netos, os pais e os avós. Caricaturam e ridicularizam o mau funcionamento da sociedade e das mentalidades. A malta ri, e já diz o ditado, "que quem ri seus males espanta" (não é 'ri', é 'canta', mas 'ri' também funciona)*3.

Começamos a compreender que a missão dos pais (e de alguns avós) foi conquistar e sustentar a liberdade - é sempre possível fazer melhor, mas disso falaremos noutra altura.
Também a nossa missão começa a ser definida: sociedade eficiente e eficaz assente no livre arbítrio - o que pressupõe educação, instrução, cultura, justiça, segurança, ... também disto falaremos noutra altura.

(*1) Dado o 25 de Abril de 1974, considero que a minha geração está entre os que nasceram depois de 1964, diria que têm hoje até aos 40 anos.

(*2) Segundo a www.infopedia.pt, Porto Editora:

eficiência, substantivo feminino
1. força ou virtude de produzir o efeito pretendido; eficácia;
2. poder de realizar (algo) convenientemente, dispendendo de um mínimo de esforço, tempo e outros recursos; competência;
(Do lat. efficientìa-, «id.»)

eficácia, substantivo feminino
1. qualidade do que é eficaz;
2. capacidade de cumprir os objectivos pretendidos; eficiência;
3. força para produzir determinados efeitos;
(Do lat. efficacìa-, «força»)

(*3) Aprendi numas excelentes histórias que tenho contado ao meu filho (e a mim próprio, à minha mulher, aos nossos pais...) que se inspiram nos 21 monumentos nomeados para serem maravilhas: "Era uma vez uma maravilha...". No caso foi na do Castelo de Guimarães, "Andava, Anadava, Andava... em Guimarães".

Regime 2.0

A democracia Portuguesa vive com um problema de regime, como ilustra a instabilidade governativa dos últimos 30 anos. Mesmo nos períodos de maior estabilidade os Governos governam metade do tempo (a outra metade é a garantir que são eleitos).

Sugiro um novo regime, com limitação de mandatos para todos os cargos políticos, que se aplicaria ao poder central e local:

a) Presidente eleito para 1 único mandato de 7 em 7 anos

b) Presidente nomeia um governo para um mandato de 4 anos

c) Parlamento é eleito de 4 em 4 anos (deputados com máximo de 3 mandatos)

Assim, se poderia apregoar a grande virtude da República*, garantir que num prazo de 5o anos aparece pelo menos um governante que faz a diferença... quando aparece,o regime garante a estabilidade necessária para que o trabalho seja feito; quando não aparece, o regime garante a continuidade do trabalho do último bom governante.

(*) O romano Júlio César dizia-se republicano pois a República era o regime que oferecia maior probabilidade de aparecer um bom governante - dizia que bastava 1 de 50 em 50 anos. Na Monarquia o direito sucessório daria para 1 ou 2 monarcas nesse período, enquanto na República com eleições de 2 em 2 anos teriámos 50 cônsules (2 por eleição).

Perfil

Nascido em Maio de 1971.
Funchal. Madeira. Portugal. Europa. Terra...
1 Irmão. Família grande (tios e primos).
Casado. 1 Filho.

Humanista. Republicano. Social Democrata. Liberal. Laico.

Marítimo (www.csmaritimo.pt). Porto (www.fcporto.pt)

Funchal
1977/1978 - 1980/1981: Extrenato Nobrega - 1º, 2º, 3º e 4º anos
1981/1982 - 1982/1983: Escola Preparatória Bartolomeu Perestrelo - 5º e 6º anos - Inglês/ Francês (www01.madeira-edu.pt/estabensino/ebbp/)
1983/1984 - 1985/1986: Escola Secundária Dr. Angelo Augusto da Silva - 7º, 8º e 9º anos - Inglês/ Francês (www.esaas.com)

Setúbal
1986/1987 - 1987/1988: Escola Secundária da Bela Vista - 10º e 11º - Infomática (www.esec-n1-bela-vista.rcts.pt)
1988/1989 - 1988/1989: Escola Secundária Nº 1 - 12º - Física, Matemática e Geometria Descritiva

Lisboa
1989/1990 - 1993/1994: Instituto Superior Técnico - Licenciatura - Engenharia Informática - Informática Industrial (www.ist.utl.pt)
1994/1995 - 1995/1996: Instituto Superior Técnico - Mestrado - Engenharia Informática - Sistemas Distribuídos (www.ist.utl.pt)
2006/2007 - 2010/2011: Instituto Superior Técnico - Doutoramento - Engenharia Informática - Engenharia Organizational (www.ist.utl.pt)

Membro da Ordem dos Engenheiros, Colégio de Engenharia Informática (www.ordemengenheiros.pt)

Direcção da Associação de Estudantes da Escola Secundária da Bela Vista (1987/1988)
Delegado de Curso LEIC/IST (1989/1994)
Direcção da Associação de Pós-Graduação do Instituto Superior Técnico (1995/1996)
Membro da Associação de Jovens Empresários, ANJE (desde 1999)

Fundador e accionista (30%) do Grupo Safira (www.safira.pt)
Fundador, sócio (100%) e gestor da darwin (www.darwin.pt)

Literatura. Cinema. Teatro. Ópera. Viajar. Convívio/ Tertúlia. Comer. Dormir.

Linkedin: www.linkedin.com
Plaxo: www.plaxo.com