sábado, 5 de maio de 2012

Manifesto empreendedor


Empreendedorismo é viver, é abraçar a vida com a vida que 'recebemos'. É aprender a andar, a falar, a amar, ... é viver a vida, vivendo (presente) com a incerteza da vida: qual o momento (futuro) em que acaba a vida ? É esta incerteza, a incerteza fundadora da vida e do acto de empreender. Quando a incorporamos no presente, vivemos, tiramos de cada momento todo o colorido da vida. Aprendemos. Motivamo-nos. Superamo-nos. Somos UM e TODOS.

Assim, empreendedorismo é um método, uma forma de lidar com a incerteza, de construir o futuro.

Empreendedor é a pessoa que aceita construir o seu futuro, que não delega esta construção em ninguém. Como diz o João Sem Medo, quando escolhe o "caminho da infelicidade", nas "Aventuras do João Sem Medo" do José Gomes Ferreira, "Mas juro que não hei-de ser infeliz PORQUE NÃO QUERO."

O principal trabalho que temos pela frente é ajudar cada pessoa a lidar consigo e com as concepções do mundo - modelos mentais. É um desafio de crescimento pessoal, de crescimento interior, de desenvolvimento pessoal. Gonçalo Eiró numa das ONE talks sublinhava o facto de sermos adultos que operam com tácticas infantis, referindo-se ao facto de cada um de nós não se conhecer a si próprio e como construiu a sua personalidade.

O crescimento interior liga-nos ao outro. Faz-nos perceber o nosso lugar na ecologia humana e planetária. Dá um sentido ao TODO e ao UM. Mostra que sou maior quando maior for a minha ligação ao OUTRO. Sozinho estou 'apagado'. Com o OUTRO acendo-me, transcendo-me. A construção individual transforma-se em construção colectiva.

Assim todos podemos escolher ser empreendedores e uma sociedade de empreendedores é uma sociedade livre. É uma sociedade que escolheu ser feliz.

Não posso deixar de tirar a consequência política: o mundo muda quando cada um de nós escolher ser feliz, sabendo que não esta sozinho nesta escolha e que será maior porque esta ligado ao outro. Neste contexto não precisamos que ninguém, mesmo um governo, faça nada por nós. Nós, cada um de nós, podemos fazer tudo o que há por fazer.

Sem comentários: