Avançar para o conteúdo principal

Nós, os comuns (We, the commons)

Gosto desta expressão: 'nós, os comuns' e da sua versão em inglês 'we, the commons'.

Este século, é o século dos 'comuns' ('commons'). Já não o 'povo', na lógica da superioridade de uma classe, seja o clero, a nobreza, a burguesia, os trabalhadores, ou qq outra, ficando o remanescente como 'povo'. Independente da classe social história, somos todos comuns, comuns na condição de sermos parte da natureza, comuns na condição de sermos parte da espécie humana, comuns na condição de sermos responsáveis pelo nosso futuro individual e colectivo.

Neste século vamos iniciar a 'propriedade dos comuns' ('commons owernership'), eliminando a dicotomia público-privado, que na pratica é um conceito de posse - quem é o dono ? que poder tem ? os comuns é um direito, uma responsabilidade, em nome do todo, dos outros comuns. Na lógica do 'público', o dono da praia é o estado. Por isso uso a praia e o 'estado' (o dono) que a limpe.

Estamos a ver emergir uma nova ética, ética dos comuns (commons ethics). A praia é dos comuns. Uso a praia e quando saiu deixo a praia melhor do que a encontrei (e.g. recolho o meu lixo e outro que tenha encontrado). Esta ética é já manifesta no collaborative consumption (consumo colaborativo) como o couchsurfing. Há luz desta ética, somos comuns no direito de desfrutar da Terra, como parte da natureza e em harmonia com esta e comuns no dever de a deixar melhor do que a encontramos.

Sobre a propriedade vamos ver crescer a criatividade, como se pode ver no 'creative commons' (comums criativos). É o futuro que chega. É a inteligência colectiva, suportada pelos processos do crowdsourcing, que se manifesta em modelos 'open source' (código aberto), i.e., dos comuns. Da posse para o direito de usufruir, que preserva, que conserva e respeita a natureza.

Sobre a propriedade dos comuns, com uma nova ética dos comuns, explode a criatividade dos comuns, que faz emergir uma nova acção humana, contemplando todas as formas de inteligência humanas (e.g. musical, matemática, espacial, movimento, linguistica, emocional), integrando os diferentes métodos de conhecer (e.g. espiritual, arte, ciência, empreendedorismo). O campo social emergente suportará uma evolução da consciência humana ao nível global, criando as condições para um planeta saudável, uma sociedade de bem estar e um indivíduo integrado.

É o projecto do século.

Gosto desta expressão: Nós, os comuns (We, the commons)!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

As minhas práticas

Várias pessoas a minha volta tem-me perguntado sobre as minhas práticas, diárias, semanais, mensais, para me manter integro, inteiro, autêntico. Aqui resumo as que tenho praticado:

Diárias (ou praticamente)
- Meditação (aprox. 1h)
- Journaling
- Dormir pelos menos 7 horas
- Beber 1 a 2 litros de água (procurando que seja o mais próximo possível de água de nascente)
- Alimentação consciente: vegan; 30% de crus; tentativamente biológica, local, de comércio justo; sem uso de açucar adicionado, alcool, café, sal refinado; com uso consciente de glutén, soja, sal e cereais integrais
- Jejum de 14 horas
- Andar o máximo que puder
- Leitura de 1 hora (ou visionamento de documentários e/ou filmes ou visita a exposições/ museus)
- Estar diariamente com os meus filhos e companheira
- Procurar um equilíbrio entre eu e a companheira no dia a dia da família (e.g. logistica, filhos)
- realizar tarefas comuns de forma mindfulness (e.g. arrumar a cozinha, conduzir, brincar com os miudos)

Semanais
- P…

Leitura 'reinventing organizations'

Li a pouco um dos mais estimulantes livros sobre o tema das organizações, seu desenho, propósito, estratégia, liderança, empreendedorismo e casos.

Partilho o livro e duas palestras sobre o tema

Livro (Frederic Laloux): http://www.reinventingorganizations.com/ (há uma versão low-cost em formato digital)

Palestras:
(2014) https://www.youtube.com/watch?v=gcS04BI2sbk (1h15 m) - boa exposição do tema; perguntas e respostas fraco

RSA (Jan.2015): https://www.youtube.com/watch?v=QA9J-aKkOAI (~25 m) - exposição mais resumida; excelentes perguntas e repostas


Este livro permitiu-me observar que:
- Safira (1996-2005) era laranja com muitas praticas de Verde
- darwin (2005-2011) era verde com algumas práticas de Amarelo
- João Sem Medo (2011-) é amarelo (ainda com muito verde)

Por aqui tem se observa o meu nível de consciência e a caminhada. Foi um grande livro para mim. Sinto que é um grande livro para a humanidade em particular para quem se foca no tema de como organizamos a nossa acção.

Este liv…

Organizações de comuns: a emergência de um novo conceito de propriedade

Imaginem uma estrutura organizacional formada por 3 aneis, assim como o planeta Terra (Núcleo, Manto e Crosta).

O 'Núcleo' é formado pelas relações entre as pessoas que trabalham na organização (e.g. gestores, empregados), quem esta serve (e.g. cliente, utilizadores) e quem é necessário para o serviço (e.g. fornecedores, parceiros). Vamos chamar a este o 'anel da missão'. É um anel de nomeação automática, i.e., se estiver a ter um destes papeis, pertence automaticamente a este anel com os respectivos deveres e direitos. Ou seja, se sou empregado nesta organização pertenço automaticamente a este anel e não tenho como não escolher pertencer.

O 'Manto' é formado por todos aqueles que já estiveram no núcleo executivo e que já não estão, por terem deixado de ser clientes ou utilizadores, parceiros ou fornecedores ou porque se reformaram ou foram executar funções para outras organizações. Vamos chamar a este o 'anel do conhecimento'. É também um anel de nome…